A Imagem Especulativa

No decorrer deste ensaio, e enquanto sintoma do desaparecimento de uma ontologia estável da imagem, pretende-se examinar a hipótese de uma transdução da percepção visual num novo regime da imagem e da visão sintética. Procuraremos igualmente estabelecer a rede conceptual que nos permita desenvolver uma síntese da noção de imagem especulativa num enquadramento teórico que se vem designando como pós-media, designadamente no contexto neocibernético. 
Artigo →

Entre a Escrita e a Imagem: Entrevista a Sybille Krämer

Sybille Krämer é professora agregada desde 1989 no Instituto de Filosofia da Freien Universität Berlin e tem sido professora e investigadora visitante em universidades e institutos de vários paises. Foi membro do Wissenschaftsrates (2003-2006), membro permanente do Colégio de Ciências de Berlim (2006-2008) e é, desde 2007, membro do Painel Científico do European Research Council. 
Artigo →

Confluências do Gesto

Tal como o mito no poema de Fernando Pessoa, em cinema, o gesto é esse «nada que é tudo». Uma sequência inteira, ou uma única cena, o rosto de Ingrid Bergman moldado por um sofrimento vulcânico, ou aquela mão instintiva de Clint Eastwood na iminência de sacar qualquer coisa (não necessariamente uma pistola), são concentrações que nascem do gesto inscrito no olhar, ou do gesto cometido por quem é olhado. 
Artigo →

East Wood <3 / Gestos do Realismo

Um dos elementos mais pertinentes no aprofundamento do estudo da natureza dos ensaios audiovisuais é a necessidade de os submeter a diferentes intencionalidades. Com tal em mente, a dupla de editores convidados deste número da Interact (Carlos Natálio e Luís Mendonça) resolveu propor a duas vozes distintas um mesmo tema de trabalho: o gesto. 
Artigo →

Leaving the Factory

Figurações do trabalhador e do trabalho no ecrã são as primeiras imagens que o cinematógrafo filmou, os primeiros movimentos da máquina coincidem com os primeiros movimentos de um corpo que sai da fábrica onde presumivelmente o seu corpo concentrado, recolhido no interior da fábrica se dá à luz e à câmara que encontra no seu êxodo. 
Artigo →

Corpo Quente, Corpo Frio

Este filme nasce de uma vontade: a de registar uma conversa informal entre amigos que tenha como tema o cinema. O resultado é uma mistura de vozes, uma fria e outra quente, que homenageia todas as amizades cinéfilas. 
Artigo →

Catherine Grant, a Guardiã da Cinefilia Digital

Catherine Grant estudou Línguas Modernas e Literaturas (francesa e espanhola) na Universidade de Leeds (1982-1986) e fez um doutoramento nessa mesma faculdade sobre autoria e feminismo na ficção mexicana (1987-1991). Em 1991, foi professora na Universidade de Strathclyde em Glasgow e em 1998 fez um pós-doutoramento em Film Studies na Universidade de Kent. 
Artigo →

«Desktop Cinema»: Kevin B. Lee e a Política do Ensaio Audiovisual Digital

Kevin B. Lee é um dos autores de ensaios audiovisuais digitais mais populares, mais ativos e mais criativos da atualidade. O trabalho de Lee exemplifica várias características definidoras desta prática como, por exemplo, um interesse pelo cinema que prolonga e investiga as próprias experiências do autor enquanto espectador; o uso de ferramentas de montagem digital que sublinha a natureza processual do ensaio e a inexistência de métodos pré-determinados para a sua prática; os seus modos de produção e de recepção colaborativos e dialógicos; a produção de textos escritos que acompanha a publicação dos ensaios; a combinação de elementos audiovisuais e textuais nos próprios vídeos; e finalmente, o uso do ensaio num contexto pedagógico (Lee já usou o ensaio quer como aluno, quer como professor)1
Artigo →

Editorial

O cinema nasceu na passagem para o século XX e por isso foi caracterizado como uma arte que concretizava parte dos anseios, mecanização e velocidade modernas. A observação da sua evolução — desde as primeiras experiências de captação de imagens em movimento, a constituição primitiva de uma linguagem cinematográfica, a que se seguiu um período clássico e moderno — fez com que se apelidasse a sétima arte como um fenómeno de rápida evolução, sobretudo se comparável com a lentidão milenar do teatro, da música ou da pintura. 
Artigo →