Leaving the Factory

 

Figurações do trabalhador e do trabalho no ecrã são as primeiras imagens que o cinematógrafo filmou, os primeiros movimentos da máquina coincidem com os primeiros movimentos de um corpo que sai da fábrica onde presumivelmente o seu corpo concentrado, recolhido no interior da fábrica se dá à luz e à câmara que encontra no seu êxodo.

Estes planos fixos dos irmãos Lumière que encenam, enquadram e observam, que guardam a memória dessas primeiras impressões do movimento humano, suscitaram um exercício de imaginação narrativa e histórica, de nota, de apontamento, da gestualidade ali conservada. Coloque-se o corpo e a máquina em movimento.

Mestre em Ciências da Comunicação, doutoranda em Estudos Artísticos – Arte e Mediações na FCSH-UNL, e bolseira FCT. Trabalha em filmes e em fotografia assim como em projectos editoriais e artísticos como a plataforma Raum e a revista Wrong Wrong.