A Vossa Terra: Entrevista a João Mário Grilo

João Mário Grilo (1958) é investigador e professor catedrático na NOVA FCSH. Publicou, entre outros títulos, os livros As Lições do Cinema, O Livro das Imagens, O Homem Imaginado: Cinema, Acção, Pensamento, O Cinema da Não-Ilusão: Histórias do Cinema Português e Cinema & Filosofia.
Autor de extensa filmografia iniciada em 1978 com Maria, a que se seguiu A Estrangeira, dela se destacam, entre outros filmes, O Processo do Rei, O Fim do Mundo, Os Olhos da Ásia, Longe da Vista, A Falha, Duas Mulheres. Da obra documental salientam-se Saramago: Documentos, José de Guimarães: Prova de Contacto, O Tapete Voador, A Vossa Casa e A Vossa Terra, todos eles enfatizando a relação do cinema com outras artes (literatura, tapeçaria, pintura, arquitetura). Para a Fundação Calouste Gulbenkian, filmou os documentários Grande Auditório: Memorial de uma Obra, Amadeo, e Depois…, Viagem aos Confins de um Sítio onde nunca Estive (sobre e com Rui Chafes), Sombras da Majestade. Recebeu, entre outros, o Prémio Georges Sadoul, o Prémio Aurélio da Paz dos Reis, o Prémio Especial do Júri, no Festival do Rio de Janeiro, o Prémio do Público, no Festival de Biarritz, e o Prémio Procirep nos Rencontres de Cannes. Destaca-se ainda o seu trabalho como programador de cinema nos ciclos «P’ra Rir» e «P’ra Rir (Outra vez)», na Fundação Calouste Gulbenkian (em 2014 e 2015), «Esplendor na Relva: 12 Obras-Primas do Cinema», no palácio e jardins de Monserrate, em Sintra (2017), para onde, em 2018, prepara «Esplendor na Relva: A Herança do Cinema».

Entrevista conduzida por Cláudia Madeira com registo e edição de Teresa Vieira e Catarina Cabrita.

 
Temas: Da vossa casa à vossa terra: Arquitetos Raul Lino e Gonçalo Ribeiro Telles / A Vossa Terra: Arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles — Excerto 1: Paisagem, uma atividade humana

 
Temas: A Vossa Terra — Excerto 2: Ontologias para a paisagem — O olhar do realizador a partir do olhar do arquiteto

 
Temas: Paisagens limite / A Vossa Terra — Excerto 3: É possível reaprender o valor da paisagem? / Futuro

Cláudia Madeira é docente e investigadora do IHA e do CIC.DIGITAL da NOVA/FCSH. Realizou pós-doutoramento intitulado Arte Social. Arte Performativa? (2009-2012) e o doutoramento em Sociologia sobre Hibridismo nas Artes Performativas em Portugal (2007) no ICS/UL. Entre 2007 e 2009 concebeu o projeto Hortas Urbanas, Hortas Criativas no Departamento de Planeamento Estratégico do Município de Odivelas, do qual resultou o projeto Hortinhas da Paiã implementado na Escola Agrícola da Paiã. É guardiã da Horta do Baldio desde 2014, sobre a qual escreveu vários artigos e onde desenvolveu o projeto Estendal, uma experiência de curadoria performativa no espaço público em torno de projetos artísticos sobre Hortas, em Junho 2016, a partir da obra de Fernanda Fragateiro, Fernando Brito e Álvaro Domingues e com a colaboração dos seus alunos do seminário de mestrado em Programação de Artes Cénicas.

Licenciada em Jornalismo, pela ESCS, frequenta o Mestrado de Ciências da Comunicação (Comunicação e Artes) da NOVA/FCSH, onde desenvolve uma tese sobre Memória Cultural e o Cinema Lituano pós-independência da URSS. Assistente de Comunicação da Trienal de Arquitectura de Lisboa, em 2014, do Gabinete de Informação do Parlamento Europeu, em 2015, da Vodafone Portugal, em 2016, e da Junta de Freguesia da Estrela, em 2017, sendo presentemente a responsável pelo design gráfico do Gabinete de Informação do Parlamento Europeu em Portugal. Tem desenvolvido projectos em diversas áreas: coordenadora e produtora de actividades no âmbito da Celebração do 40ª aniversário da Revolução de Abril (na ESCS e na Associação 25 de Abril); investigadora e assistente de imagem no documentário Entre a Casa e o Corpo (pela ESCS); professora de Português no Projecto Multilingual Lithuania; colaboradora do blog Curly Mess; Membro do Júri Universidades da 14.ª edição do IndieLisboa Film Festival (pela FCSH), entre muitos outros.

Fotógrafa. Licenciada em Artes Plásticas pela Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha.