Processo Girlschool

Num dia de Março de 2016, telefonei à Alice Geirinhas e disse-lhe «quero propor-te um projecto que só pode ser feito contigo!». A ideia surgiu do facto de irmos ambas participar em Humidifique-se, uma exposição com curadoria de Miguel Von Hafe Pérez no espaço Bregas em Lisboa.

Deste primeiro contacto desenvolveu-se um projecto de aulas performativas sobre temas ligados à arte e à sexualidade, mas que também é um espaço de liberdade: uma escola «sobre o belo» — como lhe chamou a Alice um dia — sem propinas nem créditos, um espaço inclusivo e igualitário, e que vem acontecendo com alguma regularidade. Chama-se Girlschool e este ensaio é um hiper-glossário visual, aural e escrito sobre a nossa escola.

Foto: Vitorino Coragem

 

Nome

O nosso colectivo é uma homenagem às Girlschool, uma banda hard rock do sul de Londres formada em 1978 por Kim McAuliffe, Enid Williams, Denise Dufort e Kelly Johnson.

 

Girlschool

Projecto de aulas performativas sobre temas ligados à arte e à sexualidade, criado por Susana Mendes Silva e Alice Geirinhas no âmbito da exposição Humidifique-se em 2016.

Depois das primeiras duas aulas, a Girlschool voltou a acontecer em 2017 no programa da exposição Efeito Suruba, no Pequenas Notáveis, mini-festival sobre o feminino, e em Julho de 2018 na Rádio Quântica.

This slideshow requires JavaScript.

 

Alice Geirinhas e Susana Mendes Silva

Estudámos ambas Escultura na FBAUL, somos artistas plásticas, doutoradas em Arte Contemporânea pelo Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, e professoras universitárias (a Alice na Universidade de Coimbra e eu na Universidade de Évora).

 

Humidifique-se

Exposição com curadoria de Miguel Von Hafe Pérez, com trabalhos de Alice Geirinhas, Ana Pérez Quiroga, André Cepêda, Arlindo Silva, Augusto Alves da Silva, Dayana Lucas, Gabriel Abrantes, Gustavo Sumpta, João Marçal, João Pedro Vale, Miguel Flor, Miguel Palma, São Trindade, Susana Mendes Silva, Tomé Duarte e Vera Mota.

Inaugurou no sábado 2 de abril de 2017 durante o segundo «Grandioso Fim-de-Semana» nos Bregas.

 

Aulas performativas

As primeiras duas aulas — «Vulvamorfia» e «Brinquedos» — decorreram na cave dos Bregas nas sextas-feiras de dia 8 de Abril e de 15 de Abril de 2016 a partir das 19h30. Iniciávamos com uma introdução visual e teórica, e de seguida era proposto um exercício prático (no qual nós também participámos). Neste espaço existia uma mesa comum, um projector de vídeo, material de trabalho e vinho. A participação era livre mediante inscrição prévia via Facebook ou por email. O mesmo modelo foi usado nas aulas no Efeito-Suruba e no Pequenas Notáveis, mini-festival sobre o feminino.

Já a aula na Rádio Susana teve duas partes, um primeiro programa no qual as professoras apresentavam o tema e lançavam o exercício, seguido passado quinze dias de uma emissão construída a partir dos exercícios da turma. O material didáctico e o apoio tutorial foi disponibilizado através de uma página no Facebook e por email.

This slideshow requires JavaScript.

 

Bregas

Era um atelier de João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira, na Calçada Dom Gastão, 5 A, em Xabregas. Este espaço era uma antiga sapataria onde a dupla organizava residências, exposições e outros projectos e acções artísticas.

 

Fanzine

No seguimento das duas primeiras aulas e de todo o material que tinha sido produzido pelas turmas, a Alice propôs fazermos um fanzine. A publicação surgiu de um trabalho colaborativo intenso de edição, desenho e paginação. Decidimos que seria simplesmente reproduzido em fotocópias a preto e branco. O fanzine foi uma edição de artista de 100 exemplares e lançado pela STET na secção As Tables are Shelves da Arco Lisboa 2016. Desde Março de 2018 que faz parte da exposição da colecção moderna da Gulbenkian.

This slideshow requires JavaScript.

 

Efeito Suruba

Com curadoria de Pipi Colonial, o Efeito-Suruba foi um programa muito especial onde realmente se pensou e actuou «em colectivo, “em suruba”, em aliança e solidariedade, em dissonância e convergência». Onde a promiscuidade foi mesmo «assumida como modelo de produção de conhecimento, através de um programa feito em cooperação, onde os saberes se contaminam e os encontros inesperados, entre strange bed fellows, constituem potência epistémica e política».

This slideshow requires JavaScript.

 

Pipi Colonial

O Pipi Colonial é um colectivo formado pelas investigadoras Ana Cristina Cachola, Daniela Agostinho e Joana Mayer que se expressa através da curadoria, da programação e da produção de pensamento crítico.

 

Pequenas Notáveis

«Pequenas Notáveis: mini festival sobre o feminino» teve curadoria de Maria do Mar Brito Lopes e aconteceu no bar «A Pequena Notável», no Carmo, em Lisboa. A Girlschool apresentou a aula «Brinquedos» no dia 23 de Fevereiro, a partir das 19h.

This slideshow requires JavaScript.

Fotos: Vitorino Coragem

 

T-shirt

A convite da Filipa Valladares, da STET: Livros e Fotografia, fizemos uma t-shirt serigrafada, a uma cor, com edição de 30 exemplares. Esta foi lançada, novamente pela STET, na secção As Tables are Shelves da Arco Lisboa 2017.

Imagem: Susana Pomba

 

Rádio Susana

Programa quinzenal na Rádio Quântica, emitido entre 28 de Maio e 17 de Setembro de 2018, que é parte integrante da exposição «Vida e Trabalho: Não como Antes mas de Novo» na sala Cinzeiro 8 do MAAT. O título do programa radiofónico é uma homenagem à Radio Caroline, essa rádio pirata mítica que emitia de um navio em águas internacionais.

Dado que o sentido mais convocado na rádio é a audição, a Girlschool apresentou uma aula sobre o tema «Auralidade-Oralidade», sendo que aural se refere a tudo o que tem a ver com a audição, incluindo assim a própria oralidade, o som, o ruído, a música, etc.

Susana Mendes Silva é artista plástica e performer. O seu trabalho integra uma componente de investigação e de prática arquivística, que se traduz em obras cujas referências históricas e políticas se materializam em exposições, acções e performances através dos mais diversos meios de produção. O seu universo contempla e reconfigura contextos sociais diversos sem perder de vista a singularidade do indivíduo. A sua intimidade psicológica ou a sua voz são inúmeras vezes veículos de difusão e recepção de mensagens poéticas e políticas que convocam e reactivam a memória dos participantes e espectadores.