Author: Vasco Diogo

Vasco Diogo nasceu em 1970 em Lisboa. Trabalha nas áreas da investigação, do teatro/performance, cinema, vídeo e multimedia. Desde 2009 é professor auxiliar no departamento de Comunicação e Artes da Universidade da Beira Interior (Covilhã). É Doutorado em Ciências da Comunicação pela FCSH da Universidade Nova de Lisboa com a tese: Vídeo: Especificidade, Hibridez e Experimentação. Em teatro destaca a sua colaboração, como ator e co-criador, com o Projecto Teatral (1997-2003). Em vídeo destaca as performances ao vivo Just Say No (2001), Ilustração (2004), Desenhos Animados (2003-2005) e CU* (2005) e a apresentação de instalações e vídeos mono-canal, como Série Y (2001) ou Physical Form (2003), em festivais em França, Alemanha, EUA, Holanda, Bélgica, Sérvia, Canadá e Brasil.

(Des)Materialização do Corpo na Cultura Digital

O desafio central que nos coloca Anna Munster em Materializing New Media: Embodiment in Information Aesthetics (Hanôver, New Hampshire, University Press of New England, 2006), obra intimamente ligada à performance digital como uma forma estética, ética, política e social (caótica, indeterminada e híbrida) de resistência aos modos dominantes de uma cultura de informação (racional, eficaz, produtiva) «silenciadora» de novas modalidades do corpo, do espaço e do lugar, do tempo vivo e «ao vivo», do som, do biológico, da vida e do viver desligadas de uma enraizada e limitativa tradição cartesiana (se amamos o computador amamos Descartes, se amamos Descartes ficamos com pouco espaço para a coexistência do corpo com o digital e do digital com o biológico) -– é a formulação de uma genealogia radicalmente diferente, conceptual e estética, para as estéticas da informação na era digital, uma genealogia que evidencie a materialidade dos novos media
Artigo →