Hortas & Ecos (Abril de 2017 a Março de 2018)

Migração, Exclusão e Resistência

«Migração, Exclusão e Resistência» é uma instalação com plantas alimentícias não convencionais, algumas de conhecimento específico de uma zona do país, outras menos conhecidas, que nascem de forma espontânea em lugares inesperados e por vezes não desejáveis, suscitando assim questões sobre exclusão e resistência. 
Artigo → “Migração, Exclusão e Resistência”

Cultivar Hortas em Meio Urbano: De uma Prática Alimentar a uma Posição Ético-Política

A actual criação de hortas urbanas espontâneas sai da esfera do quotidiano e do âmbito privado se a lermos como uma tomada de posição ecológica e, necessariamente, política que propõe outros modos de fazer e de viver em comunidade. 
Artigo → “Cultivar Hortas em Meio Urbano: De uma Prática Alimentar a uma Posição Ético-Política”

Soneto Ecológico: Um Projeto de Poesia Ambiental

O «Soneto Ecológico» é um poema sobre a natureza «escrito» com elementos da própria natureza: árvores. Trata-se de uma obra de land art constituída por 70 árvores organizadas por 14 filas com 5 árvores cada, correspondendo aos 14 versos da estrutura do soneto, distribuídas por duas quadras e dois tercetos, sendo as rimas efetuadas por árvores da mesma espécie. 
Artigo → “Soneto Ecológico: Um Projeto de Poesia Ambiental”

Ecocídio

Verão de 2005 nas margens do Alva: como em tantos outros anos e nas margens de outros rios, ou nas encostas e sopés das serras, somos testemunhas impotentes de tragédias ecológicas que podem ser evitadas mas cujo controlo nos escapa. Em fuga para a sombra tentamos superar a desgraça que desgasta a alma e o ânimo. 
Artigo → “Ecocídio”

Hortas Comunitárias e Segurança Alimentar em Portugal

As hortas urbanas apresentam-se como uma possibilidade de integrar de novo a Natureza no quotidiano das pessoas que vivem na cidade, ao mesmo tempo que se fortalece a economia e a coesão social das comunidades locais. Este texto baseia-se num estudo do impacto das hortas urbanas na redução da fome em Portugal, de 2004 a 2012, evidenciando o seu potencial como instrumento de política económica e social para melhorar as condições de vida das comunidades mais pobres em Portugal. 
Artigo → “Hortas Comunitárias e Segurança Alimentar em Portugal”